ESCOLAS DE PALHOÇA RECEBERÃO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PATRIMONIAL DO CONTORNO VIÁRIO

ESCOLAS DE PALHOÇA RECEBERÃO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PATRIMONIAL DO CONTORNO VIÁRIO

Mais de três mil alunos e 400 professores já foram contemplados com as ações de conscientização sobre patrimônio cultural e arqueológico

Duas escolas do município de Palhoça receberão em 2019 as ações do Programa de Educação Patrimonial do Contorno Viário de Florianópolis. Estima-se que 130 estudantes sejam alcançados pelas atividades. Desde o início do Programa, em 2014, doze escolas foram atendidas nos municípios de Governador Celso Ramos, Biguaçu, São José e Palhoça, envolvendo um total de 3.187 alunos e 472 professores. O objetivo é estimular a reflexão sobre o patrimônio cultural e arqueológico da Grande Florianópolis e, consequentemente, seu reconhecimento e valorização.

As ações realizadas vão desde aulas expositivas até oficinas práticas e abordam temas como pesquisa arqueológica, arqueologia regional de Santa Catarina, patrimônio cultural material e imaterial, povos indígenas, entre outros. Em 2019, é prevista uma intensificação das atividades práticas, como oficinas de cerâmica, pigmentos tradicionais indígenas e inventário cultural, que poderá abordar temas relacionados a comidas, lendas ou rezas locais. As escolas atendidas serão definidas pela Secretaria Municipal de Educação.

Antes de iniciar a execução das atividades, os alunos são convidados a confeccionarem desenhos sobre a temática, para que a equipe responsável possa avaliar o grau de conhecimento prévio que eles têm sobre o assunto e considerar isso no desenvolvimento das ações. Ao final do ano, os alunos elaboram um novo desenho e a comparação dos trabalhos é um dos instrumentos de avaliação sobre a compreensão e apropriação dos temas abordados.

Daniela Bussmann, Coordenadora Ambiental da Arteris Litoral Sul, empresa responsável pelas obras do Contorno Viário, aponta que a mudança de postura nos educandos e docentes já atendidos pelo Programa é perceptível e corresponde às expectativas da empresa. “Os estudantes passam a observar o patrimônio não somente como algo físico e sem valor, mas como parte de sua história, algo que precisa ser preservado, valorizado e divulgado. Os docentes, por sua vez, passam a utilizar em sala de aula os materiais cedidos pelos educadores patrimoniais, como forma de continuar o processo de conscientização dos educandos, e assimilam diversas estratégias que podem ser utilizadas em suas disciplinas para que a abordagem da Educação Patrimonial nas escolas seja efetiva e permanente”, ressalta.