ESTUDANTES DE PÓS-GRADUAÇÃO DA USP VISITAM AS OBRAS DO CONTORNO

ESTUDANTES DE PÓS-GRADUAÇÃO DA USP VISITAM AS OBRAS DO CONTORNO

Grupo de 25 alunos de especialização, mestrado e doutorado do programa de pós-graduação em engenharia de transportes fizeram uma incursão detalhada nas obras

As obras do Contorno Viário de Florianópolis receberam na última semana (29.10) um grupo de 25 alunos da Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo (USP) para uma visita técnica detalhada. Além de estudantes de mestrado e doutorado, parte dos alunos são engenheiros do Ministério de Obras Públicas do Paraguai que, por meio de um convênio, estão cursando especialização na instituição. O programa de pós-graduação em engenharia de transportes da universidade paulista é um dos melhores do Brasil e a escolha pelo Contorno como roteiro de visitas foi em função da complexidade da obra.A visita, que teve duração de quatro horas, foi dividida em duas partes: uma teórica, com apresentação detalhada das técnicas de engenharia aplicadas na obra e também programas ambientais; e outra prática, com visita a campo, percorrendo os principais pontos do traçado. Para o doutorando Rosuel de Assis, a informatização ao longo do trecho foi um dos pontos mais interessantes da visita. “O sistema informatizado usado aqui permite deixar o escritório mais perto da obra. O tablet no local, com o engenheiro inserindo informações e o projeto sendo consultado a qualquer momento pela equipe permite otimização de processos”, avalia o engenheiro.

Para o professor doutor José Leomar Fernandes Junior, responsável pela coordenação da visita técnica, a disponibilidade da Arteris em interagir com o meio acadêmico, assim como a diversidade de obras foram os pontos altos. “Desde o primeiro contato, a Arteris se mostrou interessada em nos receber. Além disso, os alunos têm uma boa base teórica, mas precisam ter o contato com a prática. Aqui eles tiveram a oportunidade de presenciar as obras em um dia de chuva não prevista e, com isso, a importância de se planejar para este tipo de situação. Outro ponto forte foi a variação de tipos de obras, já que acompanhamos pontes, viadutos, projetos de túneis, alternativas de aterro de solos moles; e isso tudo em um trecho 50 quilômetros”, finaliza o professor.

Estudantes estrangeiros destacam dimensão da obra

Para a engenheira paraguaia Sandra Kallus, a visita agregou conhecimento técnico que será levado ao seu país de origem. “Temos solo similar e chuvas como aqui, por isso a parte que considerei mais importante é a técnica de como estabilizar o solo, que também é um problema nosso no Paraguai. Além disso, estamos pensando o futuro, retirar as rodovias das cidades é nosso objetivo, como o que está sendo feito aqui no Contorno”, pontua a engenheira.

A engenheira ambiental Mirna Barrios, que estuda o impacto ambiental em obras de infraestrutura, destacou o trabalho executado no projeto do Contorno para minimizar os impactos ao meio ambiente, o resgate e remanejamento de fauna e a gestão de riscos. “O trabalho feito aqui pode ser referência para nosso país. Nós não temos lá esse nível de implementação de detalhamento na área ambiental ainda, sendo tudo muito básico. O que vocês estão fazendo em gestão de riscos, proteção de fauna e flora poderá ser aplicado no Paraguai no futuro”, ressalta Mirna.

Já a grandeza da obra foi que o chamou a atenção do engenheiro paraguaio que faz especialização em pontes, Horácio Lezcano. “Hoje não temos uma obra dessa envergadura no Paraguai. As obras de arte especiais em implantação aqui têm muitos detalhes e pudemos aprender muito”, destaca Lezcano.

Visitas às obras

As obras do Contorno podem ser visitadas por grupos de no mínimo 10 e no máximo 30 pessoas, para saber mais, acesse a publicação http://www.contornodeflorianopolis.com.br/arteris-litoral-sul-abre-programa-de-visita-as-obras-do-contorno-viario-de-florianopolis/