Comemorado no dia 27 de maio, o Dia da Mata Atlântica busca estimular a preservação de florestas nativas, uma das áreas mais ricas em biodiversidade do planeta

Arteris
Comemorado no dia 27 de maio, o Dia da Mata Atlântica busca estimular a preservação de florestas nativas, uma das áreas mais ricas em biodiversidade do planeta

Formada por um mosaico de vegetações definidas como florestas ombrófilas, estacionais, campos de altitude, mangues e restingas, a Mata Atlântica é uma das áreas mais ricas em biodiversidade e mais ameaçadas de extinção. Para preservar essa biodiversidade, a Autopista Litoral Sul investe em ações e projetos de recuperação e preservação da Mata Atlântica.

Entre as ações da empresa está a recuperação de 116 hectares da Baixada do Maciambú do Parque Estadual da Serra do Tabuleiro, medida equivalente a mais de cem campos de futebol. No local, será feito plantio de mata nativa em 40 hectares e remoção de pinus em toda a área a ser recuperada. Os pinus são considerados exóticos, ou seja, não são comuns ao habitat e modificam o ecossistema, prejudicando as espécies nativas tanto da flora quanto da fauna. O Parque da Serra do Tabuleiro é a maior unidade de conservação de proteção integral do estado.

A Autopista também está investindo na recuperação da mata ciliar. Cerca de três mil mudas de plantas nativas da Mata Atlântica foram doadas pela empresa para instituições dos municípios próximos à obra do Contorno Rodoviário de Florianópolis. As sementes foram coletadas durante a supressão da vegetação para construção da rodovia. Parte dessas mudas está sendo plantada nas encostas de rios em um projeto piloto que pretende diminuir o risco de enxurradas, enchentes e assoreamentos.

O esforço para a preservação ambiental também inclui o mapeamento da fauna no local da obra do Contorno. Até o momento, mais de 700 espécies já foram localizadas. As informações que estão sendo coletadas vão servir para o desenvolvimento de ações para a preservação de toda essa biodiversidade.