INDÍGENAS VISITAM ILHA DO CAMPECHE

Arteris
INDÍGENAS VISITAM ILHA DO CAMPECHE

Atividade busca contribuir no fortalecimento da identidade cultural e resgate histórico dos povos indígenas

Um grupo de 38 indígenas das dez aldeias que fazem parte do Componente Indígena do Plano Básico Ambiental (PBA) do Contorno Viário de Florianópolis visitou na quarta-feira, 3 de abril, a Ilha do Campeche, em Florianópolis. Tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), a Ilha é considerada Patrimônio Arqueológico e Paisagístico Nacional e possui a maior concentração de oficinas líticas e gravuras rupestres do litoral brasileiro.

A atividade é uma das ações previstas no Componente Indígena e consiste na organização de visitas em locais de relevância que tenham vestígios rupestres em Santa Catarina. Outras duas atividades semelhantes já foram realizadas, uma no Museu Arqueológico ao Ar Livre do Costão do Santinho, também em Florianópolis, e outra no Museu Arqueológico de Sambaqui, de Joinville.

“O objetivo de atividades como esta é fornecer subsídios para que os indígenas fortaleçam sua identidade cultural por meio de ações que propiciem o resgate histórico de ocupação dos seus povos”, explica Daniela Bussmann, Coordenadora Ambiental da Arteris Litoral Sul.

A escolha dos membros das aldeias que participam das visitas é feita pelas próprias lideranças indígenas, buscando indicar aqueles que possam agir como agentes multiplicadores de informações, repassando dentro das aldeias os conhecimentos obtidos nas atividades.

O Componente Indígena do Plano Básico Ambiental (CI-PBA) é um programa integrante do processo de Licenciamento Ambiental do Contorno Viário de Florianópolis como medida de mitigação e compensação exigida pelo licenciamento ambiental federal, conduzido pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) e pela Fundação Nacional do Índio (Funai).

Compreende *10 comunidades indígenas da região da Grande Florianópolis. As medidas que estão sendo colocadas em prática têm o objetivo de evitar, reduzir e compensar impactos socioambientais da implantação e operação da nova rodovia sobre estas comunidades indígenas na área de influência do empreendimento.

* Áreas indígenas que compõem o CI-PBA: M’biguaçu, Morro dos Cavalos, Amaral, Itanhaém, Massiambu, Praia de Fora , Cambirela, Amâncio, Canelinha e Praia de Fora 1.